Bem vindo à página do Teatro Viriato

Clique aqui para voltar à página principal

Principais opções do site

Imagem do espectáculo em destaque

mariana_camacho1

Informação do espectáculo em destaque

O TEMPO DE CIMA, O TEMPO DE BAIXO OU O MUNDO ESTÁ A GIRAR
08 JULHO'22

Escolha de idioma

PT  |   EN    
PROGRAMAÇÃO
NANT // DANÇA
NANT // DANÇA | 19 JAN 2022
HIP. A PUSSY POINT OF VIEW
de PINY
qua 21h00 | 60 min. + conversa no final | m/ 16 anos (cenas de nudez) 
LOCAL Sala de Espetáculos 
PREÇO 5€ // descontos não aplicáveis

INFORMAÇÕES ADICIONAIS
Espetáculo acessível com Audiodescrição


«Manifesto. Cru, rude, de dúvida e poder. Ponho na arena o espaço pélvico como tabu, como produtor de movimento, como espaço físico que contém órgãos reprodutores, sexuais, orifícios e zonas erógenas. Trauma e prazer. 

É um combate, entretenimento, um clube, um espaço sagrado, um cabaret, um quarto. É um grito de explosão contido sobre o privado e o público, os rituais de antes e de hoje; tudo sem geografia definida, a não ser a do corpo. Faço descer a Vénus de Hottentot e assumo o poder que lhe foi retirado e também a dor profunda da exposição a que foi sujeita. Agarro e transformo. Viajo pelo tempo, pelo feminino e masculino de ser mulher num espaço social e político de poder e vulnerabilidade, na reivindicação de liberdade, diversão, prazer e dor. É a reclamação do espaço do(s) corpo(s), a libertação do medo deixando o corpo à frente na luta.» 
PINY 
 
«Ousada e febril, o solo de Anaísa Lopes (a.k.a. Piny) é um exame indutor de transe do corpo da mulher com foco em seu núcleo mais sagrado e violado: o espaço pélvico, como diz a criadora. Explorando arquétipos históricos da objetificação feminina e da sexualidade, como Saartjie Baartman (infamemente conhecido como Vénus de Hottentot), e ícones da dança do ventre, “HIP. A Pussy Point of View” remete-nos às reencarnações YouTubeera (os corpos femininos hipersexuais do hip-hop e de outras cenas da música urbana, e mais especialmente do funk brasileiro, um género muito difundido em alguns contextos portugueses), convidando todos os tipos de física, digressões etológicas, estéticas, sociais e políticas. No geral, é uma jornada fascinante e animada ao funcionamento interno de um corpo feminino dançante, considerado tanto uma zona erógena quanto uma zona de guerra. Ou você a experimenta como uma afirmação direta sobre o poder da pelve, apesar de todos os traumas e agressões infligidas a ela desde tempos imemoriais, ou como uma celebração contagiante e alegre de suas possibilidades infinitas, "HiP. A Pussy Point of View" é absolutamente imperdível.» 
INÊS NADAIS 
in PT.21, Portuguese Platform for Performing Arts 
Conceito, coreografia, interpretação e HIPzine Piny 
Sonoplastia Pedro Coquenão 
Design de iluminação Carolina Caramelo 
Edição vídeo Maria Antunes 
Figurinos Veronique Divine e Piny 
Pesquisa de dança com Blaya, Louise L'Amour, Catarina Branco, Stella Capapelo, Carina Russo, Ariane Magri 
Coprodução Teatro Municipal do Porto / DDD - Festival Dias da Dança 
Residências artísticas Teatro Municipal do Porto - Teatro do Campo Alegre, O Espaço do Tempo, Estúdio Victor Córdon - Residências Artísticas 


Copyright do site

© 2010 Teatro Viriato - Todos os direitos reservados.   |    SUBSCREVA NEWSLETTER   |   política de privacidade   |   mapa do site   |   contactos   |   perguntas frequentes   |   
menu

Símbolo de site acessível

|  

Site desenvolvido por Seara.com